Os desafios da Supervisão em Enfermagem

Sempre falo sobre esse assunto com meus alunos, mas, recentemente, fui chamada por uma ex-aluna, hoje enfermeira, para ajudá-la a enfrentar as dificuldades da supervisão.

Esse é um assunto que merece reflexão e discussão, pois a função de supervisão tem sido considerada um instrumento capaz de influenciar aspectos significativos das organizações, como, por exemplo, o índice de absenteísmo (ausências), o turn-over (rotatividade de colaboradores), a produtividade e a qualidade do serviço executado.

Atualmente o supervisor deve voltar a atenção para o colaborador, procurando compreendê-lo e auxiliá-lo a desenvolver-se, com ações de caráter educativo, diferentemente do que era feito no passado, onde buscava-se a obtenção do máximo rendimento, indiferente às necessidades de cada indivíduo.

O supervisor deve preocupar-se com o planejamento, a execução e a avaliação do trabalho, visando sempre a sua melhoria e o crescimento do pessoal.

Entretanto, em algumas instituições o modelo de supervisão ainda é centralizador, autoritário, com ênfase na produção em detrimento ao fator humano.



Algumas técnicas que podem ser utilizadas

  • Observação direta
  • Análise de registros
  • Entrevista
  • Reunião
  • Discussão em grupo
  • Demonstração
  • Orientação
  • Estudo de caso
  • Dinâmica de grupo

Alguns instrumentos que podem ser utilizados

  • Prontuário
  • Prescrição de enfermagem
  • Plano de supervisão
  • Cronograma
  • Roteiro
  • Manual do serviço
  • Procedimentos e rotinas

Etapas para o desenvolvimento da função de supervisão       

  • Planejamento – compreende desde a percepção de uma necessidade de ação até a decisão quanto ao que será feito, por quem e quando. Portanto, você deve identificar as necessidades, definir as prioridades, descrever os objetivos e as atividades a serem realizadas, determinar o agente para executá-las e definir um período de tempo. Nesta fase você pode utilizar:

– Um plano de supervisão – direcionando as atividades que devem ser realizadas

Um cronograma – para priorizar ou determinar quando desenvolverá cada atividade

Um roteiro – informações a respeito do objetivo da supervisão, da área supervisionada, dos aspectos analisados, dos resultados encontrados, das orientações e recomendações dadas

  • Execução – você deve colocar o seu planejamento em prática, operacionalizar seus planos, roteiros, cronogramas, etc. É necessário ter competência profissional, habilidades de relacionamento, motivação para o desenvolvimento do pessoal, crença no potencial de cada colaborador e na importância do seu envolvimento nas tomadas de decisão.
  • Avaliação – você deve iniciar a avaliação dos resultados durante o processo, pois isso te dará subsídios importantes para o replanejamento se for necessário.

Ao término de todas as ações planejadas, deve ser feita uma avaliação geral onde são analisados, desde os resultados obtidos, a pertinência dos objetivos e das ações, e as técnicas e instrumentos utilizados.

Algumas dificuldades no desenvolvimento da supervisão

  • Filosofia do serviço de enfermagem – algumas instituições não enfatizam a importância do desenvolvimento de pessoal e da manutenção de relações interpessoais baseadas no respeito mútuo, no interesse em ajudar os colaboradores a superarem suas limitações, para com isso, terem um desempenho melhor.
  • Política de trabalho centralizadora e autoritária – esse perfil valoriza modelo “tarefeiro” e não estimula a participação dos colaboradores no processo decisório, nem a adoção de uma postura reflexiva e conscientizadora, mantendo-os, assim, imaturos e incapazes de interferir no processo vivenciado
  • Inadequação dos recursos humanos – o dimensionamento de pessoal inadequado para atender a demanda causa desgaste emocional e mental, pois, as formas como são estruturados e ou divididos os trabalhos, sobrecarregam o cotidiano dos profissionais.
  • Inadequação dos recursos físicos – área física inadequada, falta de materiais e equipamentos necessários à prestação de assistência com qualidade
  • Despreparo dos enfermeiros – muitos profissionais, por não terem sido devidamente preparados, desenvolvem a supervisão parcialmente, assumindo-a como instrumento de controle e poder e não como ferramenta educativa.
  • Falta de compreensão do verdadeiro significado de supervisão – vários problemas organizacionais causam frequentes situações chamadas de “incêndios” e as atividades desenvolvidas constantemente para “apagá-los” impedem o planejamento de ações mais eficazes.
  • Desmotivação para aprofundar os conhecimentos de gestão – desde a graduação os estudantes não demonstram muito interesse em aprender a gerenciar ou supervisionar, pois preferem conhecimentos clínicos e técnicos e, na vida profissional, outros aspectos tornam-se prioridades, ficando este relegado à segundo plano.




Nóbrega concorda com o que foi posto e diz: os próprios estudantes, durante a graduação em Enfermagem, predominantemente não demonstram grande motivação para aprender a gerenciar. O que desperta o interesse nos campos de prática ainda continua sendo a técnica, o manuseio de equipamentos sofisticados (tecnologia dura), os processos patológicos, o tratamento da doença ratificando o predomínio do modelo biomédico.

Mesmo passando as informações sobre o modelo mais adequado de supervisão durante as aulas, encontro, com frequência, profissionais que foram alunos e que refletiram em conjunto sobre esses aspectos, adotando posturas centralizadoras e autoritárias e, consequentemente, fragilidade no desempenho dessa função. Me pergunto várias vezes: o que causou este tipo de comportamento?

Cadastre-se em nossa Lista de Leitores e receba gratuitamente nossos artigos semanais!

SE VOCÊ É ENFERMEIRO, TÉCNICO OU ESTUDANTE DE ENFERMAGEM, FAÇA PARTE DA NOSSA LISTA DE LEITORES!

Cadastre seu email para receber gratuitamente nossos artigos, matérias e atualizações!

Nós respeitamos sua privacidade e jamais enviamos spam!

Prof. Dra. Elizabeth Galvão

Doutora em Ciências (EEUSP), pós-graduada em Administração Hospitalar (UNAERP) e Saúde do Adulto Institucionalizado (EEUSP), especialista em Terapia Intensiva (SOBETI) e em Gerenciamento em Enfermagem (SOBRAGEN). É professora titular da Universidade Paulista no Curso de Enfermagem, e professora do Programa de Especialização Lato-sensu em Enfermagem em Terapia Intensiva e Enfermagem do Trabalho na Universidade Paulista.


Prof. Dra. Elizabeth Galvão on Linkedin

Send this to a friend