Ser um ótimo Enfermeiro

Olá pessoal.

Quero fazer uma rápida análise sobre o perfil do Enfermeiro que os hospitais mais tem interesse em contratar e manter.

Quais são as características de um ótimo Enfermeiro? Quais são os pontos mais importantes para aqueles que buscam recolocação, para aqueles que desejam ir além na profissão, ou para aqueles que vão ingressar no mercado de trabalho?

Atualmente, mais do que no tempo em que eu iniciei na profissão, as instituições de saúde estão muito preocupadas – como todas as empresa modernas – em encontrar e reter “talentos” para compor o seu patrimônio humano.

Mas o que é ser um “talento”?

Hoje, além de ser um profissional competente, o Enfermeiro precisa também de outras características, além do conhecimento técnico e científico.

Em uma pesquisa realizada em 2012 pela então acadêmica Babila Rangel, hoje Enfermeira, sobre o processo seletivo em hospitais privados, uma das questões direcionadas aos gestores era: Quais as expectativas frente aos Enfermeiros candidatos?

Destaco algumas respostas:

“…A gente espera ao menos caráter, porque tivemos bastante cola no processo seletivo e é bom que a gente vai vendo quem é quem…”;

“…Que eles tenham aprendido pelo menos o conteúdo mínimo”;

“ A primeira coisa é liderança”;

 “…ter uma boa postura, tem que ser uma pessoa que se comprometa, que tenha responsabilidade, uma pessoa que assuma para si a resolução de problemas”.

Reparem nas respostas. Palavras como liderança, postura, caráter, responsabilidade. São características atitudinais. Tem a ver com como o Enfermeiro se comporta, como se apresenta, como trabalha, como se relaciona com o cliente/paciente, e como se relaciona com seus colegas.

Parece óbvio que ser um ótimo funcionário engloba, além de conhecimento e competência, outros atributos que são mais comportamentais do que técnicos… Mas a realidade nos mostra que as coisas não são bem assim.



Uma experiência pessoal

Por mais capacitados que sejam os membros de uma equipe, ou por mais bem equipada que seja uma unidade ou um hospital, se o profissional não se comportar corretamente, a experiência geral do cliente não será boa.

Certa vez fui visitar um amigo internado em um hospital e, mesmo vendo tecnologia avançada em todos os equipamentos, a estrutura mais moderna possível, excelente quadro clínico e excelente hotelaria, encontrei profissionais incompatíveis com aquele cenário.

Por quê?

Simples. A equipe de atendimento era deselegante, desatenciosa e fria.

Embora o pessoal fosse competente, sua postura não inspirava empatia no paciente, que no final acabou se queixando de tudo: instalações, equipamentos, médicos, enfermeiros, hotelaria.

De que valem, então, tantos recursos materiais e físicos, se a equipe não tinha a postura correta? Hoje, mais do que satisfazer as necessidades com competência, é preciso encantar o cliente.

E, no caso acima, o cliente não ficou encantado. Sua percepção geral não foi boa, nem a de sua família, fazendo com que a avaliação fosse desfavorável para todos os outros aspectos, e não só para a equipe de atendimento.

As 10 características mais desejadas em um Enfermeiro:

Além da competência técnica e do conhecimento científico e prático, os empregadores buscam e valorizam uma série de outras características quando procuram um profissional para ocupar uma vaga. Veja quais são:

  1. Pró-atividade: Ter visão para ir além, ter sede de saber mais e buscar excelência em tudo que faz
  1. Comprometimento: Conhecer a visão e missão do hospital, saber quais são os objetivos da instituição e se dedicar ao máximo para que ela tenha os melhores resultados
  1. Empreendedorismo: Significa ser um profissional que trabalha para o crescimento da instituição, como se fosse seu próprio negócio
  1. Criatividade: Procurar fazer algo novo. Sair do “aprender fazendo” e caminhar para o “aprender refletindo, criando, inovando e usando novas tecnologias”
  1. Liderança: Conduzir o grupo de trabalho para a obtenção dos resultados desejados, por meio de ferramentas e técnicas de gestão. Não ser chefe, e sim líder
  1. Motivação: Ser auto-motivado. É não precisar ser empurrado e incentivado. Só atingirá o topo continuado da excelência se suas ações estiverem sendo disparadas por um motivo próprio, não imposto
  1. Trabalho em equipe: Significa conectar vários processos de trabalho, com base no conhecimento sobre o trabalho dos outros, valorizando cada participação, construindo consensos quanto aos objetivos e resultados a serem alcançados
  1. Respeito ético e legal: Cumprir e fazer cumprir os preceitos éticos e legais da profissão. Exercer a Enfermagem com justiça, competência, responsabilidade e honestidade (código de ética)
  1. Postura e apresentação pessoal adequadas: Vestir-se de forma adequada, agir com simpatia e determinação. Isso pode melhorar a sua imagem, abrindo as portas para novas oportunidades
  1. Empatia: É preciso sentir o que sente o outro, se estivéssemos na sua posição. Ter afinidade com a situação, e agir e reagir com o mesmo cuidado e dedicação, como gostaríamos de ser tratados. Ou seja, é a arte de se colocar no lugar do outro, seja um cliente, acompanhante ou familiar

Posso dizer, pelas visitas que fiz a vários hospitais, como consultora ou como professora, que esses aspectos impactam profundamente na qualidade percebida pelo cliente.

Mas o mais visível deles, tanto sob o ponto de vista da gestão, como do cliente e de seus familiares, é o item 9: Postura e apresentação pessoal adequadas.

Sobre esse item, já vi de tudo: profissionais mascando chiclete enquanto conversavam com familiares de clientes; atendendo sem largar (e sem parar de olhar) o celular; conversando abertamente sobre a gravidade de outro paciente; contando como foi o churrasco de sábado. Já vi profissionais mulheres maquiadas como se estivessem indo para uma balada (ou voltando de uma!).




Assim, reuni abaixo uma lista com atitudes que representam exatamente tudo que não queremos em um profissional:

As 10 características que NÃO QUEREMOS em um enfermeiro:

  1. Vestir-se de forma inadequada e descuidada
  2. Não largar as redes sociais nem durante um atendimento
  3. Usar gírias e expressões verbais chulas
  4. Falar com tom de voz elevado
  5. Chamar os colegas da equipe por apelidos
  6. Comentar, na frente de clientes, sobre outros clientes ou sobre seus próprios problemas
  7. Criticar ou maldizer colegas, superiores e chefes
  8. Atrasar-se, ou faltar, com frequência
  9. Reclamar publicamente do salário ou das condições de trabalho
  10. Ser frio, indiferente

Por nossas ações e posturas somos vistos e avaliados. Se queremos a valorização constante da profissão, precisamos ser excelentes em tudo, e buscar a excelência sempre.

A equipe de atendimento é a linha de frente. Portanto, a parte mais visível e importante da experiência do cliente.

SE VOCÊ É ENFERMEIRO, TÉCNICO OU ESTUDANTE DE ENFERMAGEM, FAÇA PARTE DA NOSSA LISTA DE LEITORES!

Cadastre seu email para receber gratuitamente nossos artigos, matérias e atualizações!

Nós respeitamos sua privacidade e jamais enviamos spam!

Compartilhe o artigo com seus colegas e amigos em suas redes sociais:

 

Prof. Dra. Elizabeth Galvão

Doutora em Ciências (EEUSP), pós-graduada em Administração Hospitalar (UNAERP) e Saúde do Adulto Institucionalizado (EEUSP), especialista em Terapia Intensiva (SOBETI) e em Gerenciamento em Enfermagem (SOBRAGEN). É professora titular da Universidade Paulista no Curso de Enfermagem, e professora do Programa de Especialização Lato-sensu em Enfermagem em Terapia Intensiva e Enfermagem do Trabalho na Universidade Paulista.


Prof. Dra. Elizabeth Galvão on Linkedin
  • maria lucia santos e oliveira

    concordo com todas as caracteríticas que não queremos no Enfermeiro, mas uma característica fundamental na produção do cuidado é a empatia, eu preciso me colocar no lugar do outro, pois esse se encontra em um momento de fragilidade,de finitude diante da vida.E o outro poderia ser eu,um filho,um pai,mãe, um parente, um amor!
    Enf.Maria Lucia dos Santos e Oliveira

  • Babila Rangel

    O tema enfermeiro de qualidade ou bom enfermeiro, diante das organizações, é de fato, um questionamento que não me canso de fazer a mim mesma, aos colegas de profissão e alunos.
    Em 2015 o carro chefe dos assuntos na semana da enfermagem no COREN foi o nosso tão criticado Sistema Único de Saúde, é natural e até mesmo produtivo indagarmos nossas decepções direcionando os governantes com fiéis responsáveis, porém hoje eu como Enfermeira de Educação Continuada de uma Instituição centenária e docente ao que chamo de formadores de opinião, questiono;Será que a enfermagem, sendo mais de 40% dos colaboradores disponíveis nas unidades, considerada a porta de entrada, a linha de frente do serviço de saúde não seria também um dos embargadores do processo de aprovação desse sistema? Sou do tipo que defendo o profissional de enfermagem até o último instante, porém não tenho argumentos para acastelar profissionais que não se apresentam esteticamente da forma aceitável, se atrasam com frequência, não tem ética profissional , aplicam iatrogenias por negligência ou imprudências, não se aplicam a atualizar suas técnicas e conhecimentos, enfim … Profissionais que denigrem a imagem da profissão enfermeiro, sem se importar com a imagem a qual eu e muitos colegas dedicados constroem dia a dia.
    A enfermagem é no Brasil uma profissão relativamente jovem, iniciada em medos do século 19, iniciou- se composta dos profissionais considerados deserdados pela sociedade e hoje encontra-se em ascensão e destaque devido a muito comprometimento e empenho da nossa classe! Podemos ir muito mais além , garantido uma assistência livre de danos e repleta de atributos. Não é demagogia, o bom enfermeiro está muito mais próximo aos nossos olhos do que podemos imaginar.
    Enf Babila Rangel

    • Camila Guimarães

      Esse é um dos motivos q me levaram a escolher o curso enfermagem!

Send this to a friend